Sugestão de leitura: "O impacto da comunicação na maternidade lésbica de Fortaleza"

Trabalho de Conclusão de Curso de Déborah Costa Maia*, apresentada ao Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda do Instituto de Cultura e Arte da Universidade Federal do Ceará, em 2018.


Resumo: O seguinte trabalho aborda criticamente questões ligadas à lesbianidade, como a comunicação e a maternidade, e a maneira que repercutem na vida de mulheres lésbicas, além de denunciar sistemas hierárquicos que, por meio do poder, apagam e manipulam a história do movimento lésbico no Brasil e no mundo. Pretende responder tal problemática: De que forma a comunicação [predominantemente] heteronormativa impacta o dia-a-dia das famílias de núcleo lésbico já com um ou mais filhos na cidade de Fortaleza, Ceará? O trabalho contém em si duas entrevistas (relato) com famílias residentes do distrito e bairro periférico Messejana, localizado na zona sudeste do município, que objetivam desenvolver e aprofundar a forma que tal comunicação vigente (heteronormativa) se choca com a realidade vivenciada por famílias cujo agrupamento se dê em torno de duas mulheres. É notável que os direitos, mesmo existentes, ainda não são latentes e não chegam à todas elas, além de que a comunicação, mesmo com a existência de, por exemplo, campanhas publicitárias desde os anos 70 dirigidas ao público lésbico, ainda são raridade na mídia brasileira, refletindo uma sociedade ainda por muito atrasada e intolerante.


Para acessar o trabalho de Déborah, é só ir no perfil dela que está cadastrado no Lésbicas Que Pesquisam. Aqui: https://www.lesbicasquepesquisam.com/c-huma/Deborah-Maia


Déborah Costa Maia: "Lésbica desde que me entendo por gente, comecei a pesquisar a temática na graduação. Sou Bacharel em Comunicação Social pela Universidade Federal do Ceará, e conclui o curso com o trabalho "O impacto da Comunicação na Maternidade Lésbica de Fortaleza". Sempre me interessei na questão da maternidade lésbica por desejar muito ser mãe e ter minha própria família bem do jeitinho que sonhava: com uma outra mulher. Como estudante da área, trouxe nesta pesquisa a problemática de como a comunicação, predominantemente heteronormativa, em seus diversos meios, impactava as famílias de núcleo lésbico em Fortaleza. Atualmente faço mestrado em educação na FURB, em Blumenau, mais uma vez pesquisando mulheres lésbicas e considerando suas vozes, com o trabalho "Nas bordas da escola: identidades lésbicas e poéticas em Blumenau/SC", agora dentro do Ensino Médio com as estudantes secundaristas, no sentido de problematizar suas vivências no ambiente escolar, numa região fascista que ainda é o Vale do Itajaí.

  • Facebook - Black Circle
  • Instagram - Black Circle

© 2019 Lésbicas Que Pesquisam