ROSELY ROTH: SÍMBOLO DE RESISTÊNCIA LÉSBICA

Atualizado: 16 de Ago de 2019

A primeira movimentação lésbica brasileira contra o preconceito foi liderada por Rosely Roth, militante do GALF (Grupo de Ação Lésbica-Feminista). O Ferro’s Bar, em São Paulo, era um espaço conhecido de vivência lésbica, embora fossem recorrentemente tratadas com hostilidade, já que não seria bom para o nome do local ser conhecido pela presença de sapatonas.


Em 1983, após episódios de discriminação e lesbofobia, foi Rosely quem organizou um movimento com apoio de militantes LGBT e ativistas dos direitos humanos, para permitir às lésbicas a entrada no bar onde até então estavam sendo barradas. Esse evento ocorreu no dia 19 de agosto, que é hoje o dia do orgulho lésbico, em homenagem à luta de Rosely.


Ela foi uma das primeiras lésbicas a declarar a sua orientação sexual em público sem temer (jamais!). Quando a homossexualidade ainda era tratada como uma doença e falar sobre o assunto era um tabu, enfrentou a sociedade conservadora e patriarcal e trouxe a público como era ser uma lésbica nos anos 80.


Era uma lésbica que pesquisa: graduou-se em Filosofia e estudou, para sua tese de pós-graduação em Antropologia, as vivências lésbicas e sexualidade da mulher lésbica - e este foi apenas um de seus atos de resistência. Além de academicamente organizar simpósios e seminários, Rosely escrevia para os boletins ChanaComChana e Um Outro Olhar. Um dos momentos mais notáveis de sua militância foi quando conseguiu grande alcance midiático ao participar do programa da Hebe. Uma lésbica, em rede nacional? Inaceitável!


Os setores conservadores da sociedade não demoraram para reivindicar o respeito à família tradicional. Mesmo assim, nunca ninguém calou a sua voz, e Rosely continuou até o fim da sua vida trazendo à público a visibilidade lésbica.


Sofrendo de profundas crises em decorrência da esquizofrenia, Rosely suicidou-se em 1990, aos 30 anos de idade. Que o seu nome, sua trajetória e a sua luta jamais sejam esquecidos. A luta de Rosely ainda é a nossa luta: por visibilidade e respeito.